laboursolidarity.org
Banner News portugues Banner News portugues
Não às demissões e assédio nos call centers
Camarões

Não às demissões e assédio nos call centers

Na Intelcia, filial do império Drahi (Grupo Altice), dezenas de trabalhadores e representantes eleitos acabam de receber cartas de demissão por motivos espúrios ou desproporcionados

  • Facebook
  • Twitter

Rede internacional de centros de chamadas

Os sindicatos UGTT (Tunísia), UMT (Marrocos), CGT (Espanha), STCC (Portugal) e SUD PTT (França) estão a par das tensões actuais nos call centers dos Camarões.

Na Intelcia, filial do império Drahi (Grupo Altice), dezenas de trabalhadores e representantes eleitos acabam de receber cartas de demissão por motivos espúrios ou desproporcionados. Por exemplo, uma simples chamada de qualidade inferior, após vários anos de bons e leais serviços, levou ao despedimento de alguns e ao lay-off de várias dezenas de dias para outros. É fácil imaginar que, se a mais pequena quebra de qualidade levasse a este tipo de sanção, não restariam muitos trabalhadores nos centros de atendimento ou noutros locais... Além disso, se este tipo de sanção continuasse a ser aplicado à direção do grupo nos Camarões ou a nível internacional, não restariam muitas pessoas, dadas as repetidas violações dos direitos (descontos ilegais dos salários dos trabalhadores, feriados, etc.).

Esta vaga de despedimentos levanta uma série de questões sobre as opções estratégicas da Intelcia e do seu principal contratante nos Camarões (o operador telefónico SFR, filial do mesmo grupo Altice).

Nós, os sindicatos dos centros de atendimento telefónico, oferecemos todo o nosso apoio aos trabalhadores da Intelcia e ao seu sindicato local, o SYNTIC.

Condenamos a onda de demissões em curso na Intelcia e os seus métodos de gestão. Estes métodos lembram estranhamente os utilizados pela Interstis, outro subcontratante francês de chamadas com sede nos Camarões, e também aqui oferecemos o nosso apoio aos trabalhadores. A Intelcia Cameroun não pode recusar-se categoricamente a respeitar as leis da República dos Camarões, nem as convenções da OIT (Organização Internacional do Trabalho).

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram