laboursolidarity.org
Banner News portugues Banner News portugues
Um resumo sobre o Referendo de greve na Amazon Polônia
Polônia

Um resumo sobre o Referendo de greve na Amazon Polônia

Inicjatywa Pracownicza (IP) entrou em uma disputa trabalhista formal em julho de 2022

  • Facebook
  • Twitter

O sindicato Inicjatywa Pracownicza (IP), que representa mais de mil pessoas trabalhadores e trabalhadoras da Amazon na Polônia, entrou em uma disputa trabalhista formal em julho de 2022.

O sindicato exigia um aumento salarial de 6 PLN [zlotys poloneses - moeda local] por hora de trabalho. A partir de uma petição anterior assinada por 2.777 pessoas o aumento esperado não foi alcançado. Um dia antes das negociações em agosto, a Amazon aumentou os salários em 1,50 PLN. Isso causou insatisfação na base. E as negociações e a mediação realizadas em setembro falharam.

Agindo de acordo com a lei polonesa de resolução de disputas trabalhistas, a IP decidiu por um referendo de greve. Para ser válido, ele precisa ser conduzido em todo o nível da empresa. Por isso, de outubro a dezembro de 2022 os delegados sindicais coletaram votos espontâneos em seis armazéns da Amazon. Milhares de pessoas votaram. No entanto, no início de 2023, a Amazon restringiu o acesso a outros armazéns ao não permitir o referendo nas cantinas. Representantes sindicais, trabalhadores da Amazon, empregados em diferentes localidades, não foram autorizados a entrar nos locais de trabalho. 

Para a IP esse procedimento é uma evidente obstrução ilegal em meio a disputa trabalhista e por isso organizou protestos em frente aos armazéns. Os integrantes apresentaram notificações ao Ministério Público por suspeita de crime. Em abril de 2023, o Ministério Público em Świebodzin decidiu iniciar uma investigação. 

Abaixo, confira o resumo dos resultados da votação e as ações que o sindicato realizou durante esse período.

 

Petição

Como lembrete, já havia uma petição exigindo um aumento salarial de 15% no início de 2022. Essa demanda foi feita por trabalhadores de escritório da Amazon de Gdańsk e Varsóvia (serviços ao cliente e corporativos). Sua petição foi apoiada pelos trabalhadores do armazém. A petição foi endereçada a Marian Sepesi, diretor regional de operações da Amazon para a Europa Central e Oriental. Foi assinada online e em papel por 2.777 pessoas, incluindo quase 200 trabalhadores de escritório do Centro de Desenvolvimento de Tecnologia da Amazon em Gdańsk e Varsóvia. A Inicjatywa Pracownicza (IP) a entregou no escritório de recursos humanos da Amazon em 21 de março de 2022.

A Amazon não respondeu à petição por um longo tempo, então em junho de 2022, sindicalistas de armazéns em Poznań, Wrocław, Sosnowiec e Gliwice exigiram uma resposta e um aumento salarial todos os dias - por uma semana - apresentando um total de 20 cartas. Tudo o que receberam foi a informação de que a Amazon revisa os salários todos os anos no segundo e terceiro trimestres do ano. Um ano antes, os resultados da revisão foram comunicados em 10 de junho e as novas taxas foram efetivas a partir de 1º de julho. Enquanto isso, no início de julho de 2022, a Amazon informou aos funcionários que a revisão salarial deste ano havia sido congelada. A revisão salarial prolongada em um momento de inflação disparada na Polônia - além disso, depois que a Amazon obteve lucros astronômicos durante o boom do comércio eletrônico acompanhando a pandemia - causou mais descontentamento entre a força de trabalho. Por essa razão, a Inicjatywa Pracownicza (IP) apresentou uma carta oficial em 13 de julho de 2022, entrando em disputa trabalhista com uma única exigência: um aumento nos salários dos trabalhadores em 6 PLN para cada hora trabalhada (ou seja, aproximadamente 1.000 PLN por mês para o trabalhador do armazém de nível mais baixo).

Negociações e mediação
Como resultado da demanda não ser realizada, o sindicato entrou em disputa com o empregador desde 27 de julho. As primeiras negociações foram marcadas para 4 de agosto. É coincidência que no dia anterior, em 3 de agosto, a Amazon anunciou um aumento salarial? Os salários só aumentariam em 1,50 PLN por hora trabalhada, e isso só ocorreria em outubro. A indignação dos trabalhadores no chão de fábrica era tão aparente. No entanto, formalmente as negociações ocorreram. Durante as conversas, o sindicato exigiu que os salários fossem ajustados pela inflação, enquanto a Amazon sustentou que os salários - de acordo com análises de mercado - eram competitivos. Um protocolo de divergência foi assinado.

O próximo passo na disputa trabalhista foi a mediação. Estas, envolvendo um mediador nomeado pelo Ministério da Família e Política Social, ocorreram em 7 de setembro. Também terminaram em fracasso. A Amazon se recusou a pagar os aumentos exigidos pelo sindicato, enfatizando novamente que havia conduzido uma pesquisa do mercado salarial. No entanto, não mostrou dados detalhados ao sindicato. Foi expressamente declarado que o empregador não estava ajustando salários de acordo com a inflação, mas com revisões salariais. Pedimos que essa revisão ocorresse no primeiro trimestre do ano, em consulta com o sindicato. A Amazon afirmou que isso não é possível. Ela não discutirá salários com os sindicatos, pois "a questão dos aumentos faz parte do contrato individual de trabalho". Portanto, continuará fingindo, na nossa opinião, negociar individualmente salários com cada um dos cerca de 20.000 funcionários, anexando seus contratos, apenas para contornar a negociação coletiva com os representantes dos trabalhadores, que são os sindicatos.

Protesto e referendo
Depois que a mediação falhou, de acordo com a lei de resolução de disputas trabalhistas, o sindicato realizou um referendo de greve. Ele é realizado no nível da empresa, neste caso a Amazon Fulfillment Poland, que abrange 10 armazéns em várias províncias - de Szczecin (norte da Polônia), Łódź, Poznań, Legnica, Wrocław a Katowice (sul da Polônia). É, portanto, uma grande operação logística e um desafio organizacional.

Em 25 de setembro, o sindicato começou com um protesto na frente de um armazém perto de Poznań para informar os trabalhadores sobre o processo de mediação e o referendo planejado. Os visitantes internacionais da coalizão Amazon Workers International, que são trabalhadores da Amazon da Alemanha, França e Eslováquia, e estavam presentes naquele momento, nem mesmo foram permitidos no estacionamento da empresa. A Amazon montou uma barreira na entrada das instalações da empresa (que normalmente permanece aberta) para impedir a entrada daqueles que não trabalham na filial polonesa da corporação. A segurança verificou os crachás de identificação dos funcionários que entravam no local de trabalho (o que normalmente não fazem), informando inadvertidamente a todos sobre o protesto.

O referendo adequado começou em outubro de 2022 no armazém WRO1 da Amazon em Bielany Wrocławskie. Ao mesmo tempo, o sindicato lançou uma plataforma de votação online. Na segunda metade de outubro, a coleta de votos começou no armazém perto de Poznań. Os delegados sindicais permaneceram na cantina das 10h à meia-noite para que os turnos diurnos e noturnos pudessem votar. Os trabalhadores votaram principalmente durante a pausa de 15 minutos e a pausa de meia hora para o almoço.

O referendo foi coberto pela mídia e vozes de apoio foram ouvidas. Em outubro, os Círculos Juvenis de Poznań e Silesia da Inicjatywa Pracownicza (IP) colocaram cartazes nos pontos de ônibus da empresa e distribuíram panfletos com um código QR para o site do referendo de greve para trabalhadores que embarcam nos ônibus da empresa. Em novembro, na semana que antecedeu a Black Friday, participamos de um protesto em Wrocław junto com trabalhadores do supermercado Kaufland, exigindo aumentos salariais nos setores de comércio e e-commerce. Como parte da campanha global "Make Amazon Pay", usamos camisetas com esse slogan no trabalho e distribuímos adesivos. Lembramos às pessoas que somente juntos, cruzando fronteiras, agindo juntos com trabalhadores de outros países e com o movimento social, podemos obrigar a Amazon a pagar salários mais decentes, arcar com os custos ambientais de seu modelo de negócios e pagar impostos justos.

Em novembro, o referendo ocorreu nas cantinas e áreas de fumantes do armazém da Amazon KTW1 (Sosnowiec) e continuou em WRO1 (Wrocław) e POZ1 (Poznań). Em 6 e 7 de dezembro de 2022, os votos foram coletados no armazém WRO2 (Bielany Wrocławskie) nos turnos diurnos e noturnos, em 7 e 8 de dezembro de 2022 no armazém KTW3 (Gliwice) nos turnos diurnos e noturnos, e em 14 de dezembro de 2022 no armazém KTW4 (Sosnowiec). Dessa forma, os representantes do sindicato estiveram presentes com urnas em 6 armazéns da Amazon na Polônia. Eles coletaram milhares de votos de trabalhadores insatisfeitos com salários baixos.

Amazon restringe o direito de greve

Na nossa opinião, a Amazon deve ter ficado assustada com a possibilidade de votos suficientes para que o referendo fosse considerado válido. De acordo com a lei (restritiva) de greve, 50% da força de trabalho deve participar. No final de dezembro, recebemos a primeira carta na qual a Amazon alegou que o referendo estava sendo prolongado. Respondemos que a decisão de encerrar a votação não estava dentro da competência do empregador.

Em 20 de janeiro de 2023, a delegação sindical não foi autorizada a entrar na área do armazém no armazém LCJ3/4 em Łódź. Os trabalhadores só puderam votar na área de fumantes fora do armazém, o que reduziu significativamente a participação. Em frente ao armazém, a Inicjatywa Pracownicza (IP) organizou um protesto: os sindicalistas seguravam uma faixa com o slogan "Amazon viola o direito de greve", gritavam slogans e falavam com os trabalhadores e a mídia. Deputados estavam presentes no local e chamaram a polícia quando a Amazon não permitiu a entrada dos representantes sindicais no armazém. A polícia fez uma nota oficial, que por sua vez foi submetida ao Ministério Público. Protestos semelhantes ocorreram em fevereiro e março em frente ao Amazon POZ2 em Świebodzin e em Kołbaskowo perto de Szczecin. Em um gesto de apoio, em 2 de fevereiro de 2023, o grupo "Posters Against Violence" colou três cartazes de grande formato no centro de Poznań com os slogans "Não aperte o cinto - cerre o punho", "Amazon viola o direito de greve" e "Faça a Amazon pagar".

Em 9 de fevereiro, uma conferência de imprensa ocorreu em frente ao Ministério Público Nacional em Varsóvia, sob o slogan "A impunidade das grandes corporações como a Amazon deve acabar!" e deputados de esquerda apresentaram uma notificação de possível infração penal ao Ministério Público. Poucos dias depois, quatro representantes da Inicjatywa Pracownicza (IP) receberam cartas disciplinares acusando-os de segurar uma faixa com o slogan "Não aperte o cinto, cerre o punho", alegadamente "incitando à agressão" e estando nas instalações do local de trabalho sem a permissão do empregador, conduzindo "uma ação de protesto ilegal durante a qual a saída foi bloqueada", assim alegadamente "colocando em risco a vida e a saúde dos funcionários". O sindicato responde que as alegações são absurdas, embora a troca de cartas continue até hoje. Recentemente, no final de abril, um membro do sindicato de Wałbrzych recebeu uma carta sobre o assunto.

Resultados e conclusões
O referendo de greve foi participado por 4.978 funcionários e trabalhadores da Amazon Fulfillment Poland, dos quais mais de 95% votaram a favor da greve. Após a verificação dos votos válidos, verifica-se que o maior número (em proporção ao número de funcionários) de funcionários votou no armazém WRO1, seguido de KTW1 e POZ1 (a participação lá foi de cerca de 40%). No entanto, de acordo com a lei polonesa, não importa quantos votos foram emitidos em armazéns individuais. O que importa é o número total de funcionários na empresa. Resumindo, aproximadamente 25% da força de trabalho total votou (excluindo trabalhadores temporários).

 

 

O que indicam estes resultados? Em primeiro lugar, cinco vezes mais trabalhadores do que os trabalhadores sindicalizados pela Inicjatywa Pracownicza (IP) participaram do referendo. Isso é um bom indicador do apoio às reivindicações e do alcance da nossa organização. Também ilustra, é claro, a enorme escala de insatisfação com os salários nos armazéns da Amazon na Polônia. Vale mencionar que durante o próprio referendo dezenas de pessoas, que conseguimos alcançar através da votação, se juntaram ao sindicato. Nunca antes nosso sindicato foi tão grande quanto hoje.

Em segundo lugar, pode-se ver claramente que, nos armazéns em que o sindicato não pôde estar presente nas cantinas devido à restrição de acesso da Amazon, a participação foi significativamente menor. A falta de acesso aos cinco armazéns significou que as restrições da Amazon distorceram os resultados da votação. Em nossa opinião, esta é uma ação ilegal - daí as denúncias apresentadas ao Ministério Público.

Finalmente, os resultados mostram claramente que o direito de greve na Polônia é muito restrito. Dos países onde existem armazéns da Amazon, a Polônia é o único país da UE onde a realização de um referendo é uma condição para uma greve, além do fato de que só é válido após uma alta participação (que é de 50% dos funcionários). Isso é particularmente difícil em uma situação em que as empresas cobrem muitos locais de trabalho. Em outros países da UE onde a Amazon opera, não é necessário realizar um referendo. O sindicato pode ou não realizar uma votação apenas entre seus próprios membros. É possível entrar em greve mesmo com algumas centenas de pessoas a bordo, como aconteceu este ano no Reino Unido ou na Espanha.

Quase 5.000 pessoas votaram a favor da greve na Polônia! Imagine qual seria o poder de greve que teríamos se não fossemos restritos por essa legislação repressiva. Seria crucial usar essa força para ações de protesto além de uma greve formal. Nosso sindicato continuará ativo na Amazon, bem como pressionando por uma mudança na legislação (a lei de resolução de disputas trabalhistas) a esse respeito.

LINHA DO TEMPO

  •     Janeiro de 2022 - lançada petição para aumento salarial de 15%
  •     21 de março de 2022 - o sindicato envia uma petição assinada por 2.777 pessoas, incluindo quase 200 funcionários de escritório
  •     Junho de 2022 - devido à falta de resposta à petição, os representantes comerciais da Inicjatywa Pracownicza enviam 20 cartas idênticas todos os dias durante uma semana aos departamentos de RH dos armazéns em Poznań, Wrocław, Sosnowiec e Gliwice, exigindo aumento salarial
  •     13 de julho de 2022 - o sindicato envia uma carta exigindo um aumento salarial de 6 PLN por hora trabalhada
  •     3 de agosto de 2022 - a Amazon anuncia um aumento de 1,50 PLN por hora trabalhada
  •     4 de agosto de 2022 - Negociações concluídas com um protocolo de divergência
  •     7 de setembro de 2022 - Mediação com a participação de um mediador concluída com um protocolo de divergência
  •     23 de setembro de 2022 - protesto no armazém POZ1, trabalhadores da Amazon de outros países não podem entrar nas instalações da empresa, eles fazem piquete em frente à barreira ferroviária
  •     entre 5 e 19 de outubro - o referendo no armazém WRO1 da Amazon em Bielany Wrocławskie
  •     entre 24 e 31 de outubro de 2022 - o referendo no armazém Amazon POZ1 em Sady, perto de Poznań
  •     entre 8 e 13 de novembro de 2022 - o referendo na Amazon KTW1 (Sosnowiec)
  •     21 de novembro de 2022 - protesto em Wroclaw contra os preços excessivos e a exploração
  •     25 de novembro de 2022 - campanha global #Makeamazonpay na Black Friday
  •     29 e 30 de novembro de 2022 - continuação do referendo em WRO1, KTW1 e POZ1
  •     6 e 7 de dezembro de 2022 - o referendo ocorre pela primeira vez no armazém WRO2 (Bielany Wrocławskie)
  •     7 e 8 de dezembro de 2022 - o referendo é realizado pela primeira vez no armazém KTW3 (Gliwice)
  •     14 de dezembro de 2022 - o referendo ocorre pela primeira vez no armazém KTW4 (Sosnowiec)
  •     19 de dezembro de 2022 - a Amazon não concorda em organizar a votação nas instalações do armazém POZ1 no turno do fim de semana e realiza o referendo pela primeira vez no armazém WRO5 (Okmiany, perto de Legnica)
  •     20 de janeiro de 2023 - uma delegação do sindicato não é autorizada a entrar no armazém LCJ3/4 da Amazon em Lodz. Protesto do lado de fora do depósito, após o qual quatro sindicalistas recebem cartas disciplinares da Amazon porque, segurando uma faixa com o slogan "Não aperte o cinto, aperte o punho", eles supostamente "incitaram a agressão"
  •     30 de janeiro de 2023 - uma delegação sindical não é autorizada a entrar no depósito da WRO5 em Okmany. Conferência de imprensa em frente ao armazém
  •     9 de fevereiro de 2023 - coletiva de imprensa em frente à Procuradoria Nacional com a participação de ativistas sindicais e parlamentares, e notificação à Procuradoria da possibilidade de cometer um crime na forma de obstrução de uma disputa industrial
  •     10 de fevereiro de 2023 - no parlamento, deputados de esquerda exigem que a Amazon cumpra a lei, inclusive garantindo o direito de greve
  •     24 de fevereiro de 2023 - uma delegação sindical não tem permissão para entrar no depósito POZ2 da Amazon em Świebodzin. Notificação à polícia e solicitação à promotoria por obstrução de uma disputa industrial
  •     3 de março de 2023 - uma delegação sindical não é autorizada a entrar no armazém Amazon SZZ1 em Kołbaskowo, próximo a Szczecin. A polícia que intervém no local do depósito faz uma anotação formal 
  •     Março de 2023 - os vendedores do IP são questionados pela polícia sobre as restrições ao direito de greve da Amazon
  •     17 de abril de 2023 - a Promotoria Pública Distrital de Świebodzin inicia uma investigação por um ato nos termos do artigo 26(1) da Lei sobre a Resolução de Disputas Coletivas, após uma notificação de um possível crime cometido pelos gerentes da Amazon Fulfillment Poland, que consistia em não permitir que representantes da delegação da Inicjatywa Pracownicza entrassem no local e, assim, impedissem a votação de um referendo sobre a realização de uma greve

 

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram